Saúde investe mais de R$ 50 milhões em medicamentos em 2020 e anuncia abertura de UPA no São José


No total, 20 pregões foram concretizados, um revogado e o último está em andamento

Entre janeiro e dezembro de 2020, a Secretaria Municipal de Saúde lançou 22 pregões eletrônicos para compra de medicamentos e insumos. No total, 20 foram concretizados, um revogado e o último está em andamento. Juntos, os pregões válidos somaram um investimento estimado em R$ 50.459.892,66. No mesmo período de 2019 foram dez pregões lançados e concluídos, com gasto total estimado de R$ 19.505.629,17.

As farmácias do Hospital Municipal de Paulínia (HMP) e das Unidades Básicas de Saúde (UBS) recebem a maior parte dos medicamentos e distribuem de graça para a população. Atualmente, a cesta de remédios do SUS de Paulínia, uma das maiores do país, conta com cerca de 600 itens. Três dos pregões concluídos no ano passado foram para atender decisões judiciais em ações movidas por usuários que não conseguiram ser atendidos pela rede.

Com a pandemia da Covid-19, além das compras via processo regular de licitação, a Prefeitura Municipal de Paulínia (HMP) também comprou no ano passado medicamentos padronizados, insumos, materiais e equipamentos em caráter emergencial (sem licitação). De acordo com o Portal Transparência Covid-19, entre abril e novembro de 2020, foram investidos mais de R$ 12 milhões no combate à propagação da doença causada pelo novo coronavírus.

UPA São José

De acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde, noticiadas pelo portal Correio Paulinense, a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Paulínia deve ser aberta junto à Unidade Básica de Saúde (UBS) do São José. A informação consta na resposta da pasta à solicitação do vereador José Carlos Coco da Silva, o Zé Coco (PSB), para a prefeitura implantar UPAs em três outros bairros da cidade: Betel, Parque da Represa e Cooperlotes. “Consideremos que essa região (a do São José) está mais distante do Pronto Socorro do HMP, sendo portanto prioridade no momento”, explicou a pasta. Segundo o Ministério da Saúde, as UPAs resolvem grande parte das urgências/emergências e desafogam os prontos-socorros dos hospitais públicos. Por ter mais de 100 mil habitantes, Paulínia comporta a UPA Porte II, com 11 leitos de observação, mínimo de três leitos de urgência, e capacidade para atender 250 pacientes em média por dia. Com informações do Correio Paulinense.