Pesquisa de Campinas desenvolve biossensor para auxiliar tratamento de leucemia infantil



Uma pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da PUC-Campinas desenvolveu um biossensor para controle de tratamento contra leucemia infantil. O dispositivo pode ser uma alternativa mais barata para pacientes em tratamento da doença, com a vantagem de ser de fácil utilização e possível de aplicação portátil. Para a sua aplicação em pacientes, entretanto, ainda serão necessários os estudos com amostras biológicas, tais como sangue.

A pesquisadora Jocimara Camargo da Silva fez sua dissertação com a orientação da Profa. Dra. Renata Kelly Mendes, que desenvolve uma linha de pesquisa voltada para sensores de diversas aplicações. Jocimara disse que a maior motivação foi ver seu trabalho contribuir de alguma forma para a sociedade e saber que poderá auxiliar no tratamento de doenças.

A leucemia linfoblástica aguda (LLA) é o principal tipo de câncer infantil e um dos tratamentos se refere à aplicação da enzima asparaginase (Asnase) no paciente, com consequente eliminação da célula cancerígena. Entretanto, o corpo pode produzir anticorpos antiasparaginase (anti-Asnase) que inibem a atividade enzimática e, portanto, atenuam o efeito do tratamento.

O monitoramento desses anticorpos nos pacientes contribui para a eficiência do tratamento. O desenvolvimento de um biossensor eletroquímico feito pela pesquisadora auxilia e pode baratear e facilitar esse acompanhamento de anticorpos.