Paulínia comemora 57 anos superando desafios em meio à pandemia

Ações virtuais, exposição de acervo histórico, contas da saúde aprovadas e a chegada de novas doses da vacina foram assuntos mais relevantes nesta semana

Neste domingo (28), Paulínia irá comemorar os 57 anos de emancipação política. Devido à pandemia, a Administração Municipal optou em realizar apenas atividades online, com o objetivo de evitar aglomerações.

História

Paulínia foi emancipada em 28 de fevereiro de 1964, mas sua fundação remonta ao começo do século XX. O nome escolhido é uma homenagem a José Paulino Nogueira, um fazendeiro conhecido na região de Campinas, município do qual Paulínia emancipou-se, que emprestou seu nome à estação ferroviária ao redor da qual se desenvolveu o município. Paulínia é mundialmente conhecida por sediar um dos maiores polos petroquímicos da América Latina, a Refinaria de Paulínia (Replan).

Graças à Replan e o polo petroquímico, que estão sediados na região norte da cidade, Paulínia tem a sétima maior renda per capita do Brasil. Também graças ao polo, tem altos níveis de poluição por ozônio, principalmente no distrito de Betel e na região da Replan, onde se encontram empresas como: Rhodia, Purina, Shell, Syngenta, e Petrobras. A cidade se destaca pelo intenso crescimento populacional, sendo o maior da Região Metropolitana de Campinas.

O município é formado pela cidade de Paulínia e pelo distrito de Betel, na região leste. Paulínia faz parte do chamado Complexo Metropolitano Estendido, que ultrapassa os 29 milhões de habitantes, aproximadamente 75% da população do estado de São Paulo inteiro. As regiões metropolitanas de Campinas e de São Paulo já formam a primeira megalópole do hemisfério sul, unindo 65 municípios que juntos abrigam 12% da população brasileira.

José Paulino Nogueira

O nome Paulínia é uma homenagem a José Paulino Nogueira, fazendeiro campineiro, um dos donos da Fazenda do Funil, localizada entre as atuais cidades de Paulínia e Cosmópolis. A vila que deu origem ao município de Paulínia chamava-se Vila José Paulino até 1944, quando um decreto estadual proibiu localidades de terem nomes de pessoas vivas. Devido a esse fato, a vila foi elevada a distrito com o nome "Paulínia".

No fim do século XIX, Paulino e seus irmãos passaram a desbravar a Fazenda do Funil, entre Paulínia e Cosmópolis. Com a construção da Estrada de Ferro Funilense, foi erguida também uma estação ferroviária no bairro de São Bento, que passou a ser denominada José Paulino. O pequeno bairro de São Bento cresceu ao redor da estação e passou a ser conhecido também como José Paulino.

O primeiro núcleo urbano na região de Paulínia foi um vilarejo denominado bairro São Bento. Em 1903 foi inaugurada na Fazenda São Bento uma capela em honra ao mesmo santo, que começara a ser construída em 1897, no mesmo ano no qual foram aprovados as plantas e o orçamento da estação José Paulino. Ao redor dessa capela começou a se desenvolver o bairro São Bento. Nessa época São Bento era um bairro periférico de Campinas.

Paulínia permaneceu durante vinte anos como distrito de Campinas. Durante esse período o desenvolvimento agrícola e industrial atingia toda a região, principalmente com a instalação da Rhodia na Fazenda São Francisco em 1942. Esse fato representou o aumento da arrecadação de impostos para Campinas. Em meados da década de 1950, um funcionário aposentado da Assembleia Legislativa de São Paulo, José Lozano Araújo, fundou a associação Amigos de Paulínia e iniciou um movimento pela emancipação da cidade. O movimento culminou com a realização de um plebiscito em 6 de novembro de 1963, que determinou a emancipação. Em 28 de fevereiro de 1964 foi publicada a Lei 8092, criando o município de Paulínia.

As primeiras eleições ocorreram em 7 de março de 1965, tendo sido eleito José Lozano Araújo como prefeito da cidade. José Lozano fez grandes obras em Paulínia e foi o principal responsável pela instalação da Replan na cidade, pois doou o terreno e a isentou de impostos por vinte anos. A refinaria transformou Paulínia em um centro de atração populacional, passando de 6,9 mil habitantes em 1972 para 28.620 habitantes em 1973, triplicando o número de habitantes.

A história recente de Paulínia é marcada por um grande desenvolvimento econômico, crescimento urbano e populacional. A partir da década de 1980, quando foi inaugurado o hospital municipal, muitas obras foram sendo realizadas para aumentar a capacidade de atendimento de alguns serviços. Em 1981, o então prefeito de Paulínia, Geraldo José Ballone, encaminhou para a câmara de vereadores um projeto de lei que criava o hospital municipal. Na época a cidade possuía cerca de 20.753 habitantes, mas a população não tinha um estabelecimento público de saúde na cidade onde pudesse fazer exames e consultas.

Felicitações do Prefeito

“Paulínia completa 57 anos, mas a pandemia não permitirá que a comemoração aconteça como desejávamos, mas aproveito a oportunidade para reforçar meu compromisso com nossa cidade. Já fizemos muito e vamos fazer ainda mais nos próximos anos. Com muito trabalho, fé e amor, Paulínia, vai seguir em frente, no caminho do bem. Parabéns, Paulínia. Sempre tive e terei orgulho de fazer parte desta história”, felicitou o prefeito Du Cazellato.


FOTOS: RT IMAGENS/PAULINIA VISTA DE CIMA | FABIANO MOREIRA

© 2020 Jornal de Paulínia