Homem que matou esposa à marteladas é preso em Sumaré

A vítima foi atacada pelo companheiro com golpes de martelo, na presença do filho

O homem de 31 anos acusado de matar sua companheira, a doméstica Adriany Regina Gomes Pina, de 30 anos, a marteladas foi preso. A delegada titular da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Sumaré, Regina Aparecida Castilho Cunha, conseguiu na Justiça o mandado de prisão preventiva do acusado. Ele foi autuado em flagrante, quando prestava novos esclarecimentos na sede da delegacia especializada, na tarde de quarta-feira (17). O acusado confessou o crime. A defesa do acusado vai pedir a liberdade provisória. O crime ocorreu durante uma discussão entre o casal na noite de sexta-feira (12). Em seu depoimento, o suspeito alegou que, no dia do crime, discutiu com a mulher, pois ela teria passado o dia em um bar com os filhos, um menino de 2 anos (filho do casal) e o filho de outro relacionamento da mulher, de 8 anos, que estaria na residência na noite do assassinato. O acusado disse que começou a discussão com a mulher ainda no interior do estabelecimento e continuaram o desentendimento no caminho para a residência. O suspeito relatou em seu depoimento que a mulher pegou um martelo e passou a quebrar sua moto. Ele teria tomado o martelo das mãos dela e a golpeou seguidas vezes. O homem alegou ainda que não se recorda quantas vezes a atingiu.

O CASO A vítima foi atacada pelo companheiro com golpes de martelo, na presença do filho. Os policiais civis conversaram com o irmão do acusado, que reside na mesma casa, mas durante o ocorrido estava na frente da residência. Ele disse que ouviu a discussão e, instantes depois, percebeu que seu irmão saiu às pressas em sua motocicleta. Seu sobrinho, filho do casal, pediu sua ajuda, pois alegou que sua mãe estava sangrando. Ao entrar na residência, viu a mulher caída. Ele avisou o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e a Polícia Militar. De acordo com a Polícia Civil, que também esteve na residência, o pai do acusado informou que recebeu uma mensagem de áudio do filho, alegando que havia matado a mulher e que ele deveria ir à casa, para buscar os filhos do casal. Os áudios já foram entregues ao delegado plantonista que deu início às investigações. A casa foi preservada pela polícia até a chegada dos peritos do Instituto de Criminalística de Americana. Em seguida, o corpo da vítima foi encaminhado ao IML de Americana e liberado aos responsáveis para providenciarem o sepultamento. O acusado havia comparecido à delegacia especializada na segunda-feira (15), acompanhado de seu advogado, mas, como não estava mais no período para prisão em flagrante, conforme prevê a legislação, não pôde permanecer preso. As policiais da DDM deram seguimento nas investigações e, em seguida, a delegada pediu o mandado de prisão do indiciado à Justiça. Na tarde de quarta, o documento foi expedido pela Justiça e o suspeito pôde permanecer detido por tempo indeterminado. Ele foi escoltado à cadeia local, com o apoio dos policiais civis da Delegacia do Município. O advogado Eleandro Francisco Silva, que defende o acusado, disse que fará na Justiça o pedido da liberdade provisória. “Ele preenche todos os requisitos, pois tem endereço e trabalho fixos, bons antecedentes e colaborou com as informações sobre o caso”, afirmou o defensor. Com informações do Jornal Tribuna Liberal.

© 2020 Jornal de Paulínia