Mais de 70 mil eleitores paulinenses vão às urnas decidir quem serão os vereadores e prefeito dos pr

Na concorrência para a cadeira do Executivo estão seis candidatos, já para vereador 296 disputam as 15 vagas


Neste domingo (15) todos os eleitores brasileiros devem ir às urnas para eleger os próximos representantes para vereador e prefeito de seus municípios. Em Paulínia, aproximadamente 73 mil eleitores estão aptos a votar nas eleições deste ano. Na concorrência para a cadeira no Executivo, estão seis candidatos, o atual prefeito que disputa a reeleição Du Cazellato (PL), Edson Thomaz (PT), Gustavo Yatecola (Patriota), Nani Moura (MDB), Renato Cardoso (PDT) e Robert Paiva (REDE). Já para vereador, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) recebeu 296 pedidos de candidatos, eles disputarão as 15 cadeiras do legislativo municipal em 2020. Com isso, o município terá uma relação de 19,73 candidatos por vaga. Dos 15 vereadores de Paulínia, 12 vão disputar as eleições deste ano e tentarão seguir com o cargo na Câmara Municipal. Apenas três optaram por não tentar a reeleição para vereador no município. Estão fora da disputa Marquinho Fiorella (PSB), com 4 mandatos consecutivos, Danilo Barros (PL) com 2 mandatos e Marcelo D2 (DC), com um mandato. Todos os outros 12 membros da câmara, buscarão se reeleger.

Novidades

Duas das grandes novidades nas eleições deste ano, também por conta dos protocolos de segurança sanitária contra a Covid-19, ficam por conta da ampliação do horário de votação e a definição de um período ‘preferencial’ para as pessoas idosas.

Nestas eleições, o horário de votação foi ampliado em uma hora, começando agora às 7h e indo até às 17h. As três primeiras horas da votação (portanto das 7h às 10h) será preferencialmente para os eleitores que tenham mais de 60 anos de idade. Isso significa que essa faixa de horário é preferencial, mas não exclusivo para esse grupo de eleitores. Durante todo o dia da eleição, os idosos maiores de 60 anos também têm preferência para votar, como também eleitores enfermos, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, grávidas e lactantes, e pessoas acompanhadas por crianças de colo.

Segundo o TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo), “a preferência considera sempre a ordem de chegada à fila de votação, com exceção dos eleitores com mais de 80 anos, porque estes dispõem de prioridade sobre os demais, conforme a Lei 13.466, de 2017″.

Medidas sanitárias

Para tornar todo o processo de votação o mais seguro possível, a Justiça Eleitoral tomou diversas medidas sanitárias para amenizar os riscos: marcações para o distanciamento social, álcool em gel em todas as seções eleitorais e distribuição de equipamentos de proteção individual, como as face shields, aos mesários, estão entre elas.

E claro, também parte de cada um de nós tomar os cuidados para que, de fato, a eleição seja segura. Desde o uso constante da máscara e higienização frequente das mãos com álcool em gel, até respeitar o devido distanciamento social de um metro. O TRE-SP recomenda aos eleitores que, antes de sair para votar, não se esqueçam de consultar o local de votação, que poderá ser feito pelo aplicativo e-Título ou no site do TRE-SP.

O Tribunal também recomenda que cada eleitor leve sua própria caneta, a fim de assinar o caderno de votação e até para ajudar na hora de teclar os números na urna.

O que precisa levar?

O de sempre, com o acréscimo da máscara, logicamente. Não se esqueça de um documento oficial com foto, como carteira de identidade, passaporte, carteira de categoria profissional reconhecida por lei, certificado de reservista, carteira de trabalho ou carteira nacional de habilitação, e, apesar de não ser obrigatório, também seu título de eleitor físico ou virtual, pelo aplicativo e-Título. De acordo com o TSE, o porte do título é recomendado uma vez que nele constam informações sobre a zona e a seção eleitoral.

Já os eleitores que possuem biometria cadastrada e usam o e-Título possuem uma vantagem: nesse caso, o documento emitido no aplicativo serve também como documento oficial de identificação, substituindo qualquer um desses citados, bastando apresentar o celular ao mesário. Ah, e como já dissemos mais acima, levar uma caneta, para assinar o caderno de votação e também ajudar na hora de teclar na urna, é mais do que recomendado.

© 2020 Jornal de Paulínia