Você sabe o que é um cão de assistência?

Eles são os olhos, a audição, o tato, olfato, a companhia inseparável e a independência


Atualmente os cães de assistência possuem relevante função social na vida das pessoas com deficiências. São fundamentais para auxiliar essas pessoas em sua rotina, trazendo mais autonomia, liberdade, confiança. Eles adoram pessoas e outros cães, sabem conviver muito bem em qualquer ambiente e em diversas situações. Além do auxílio, eles se tornam grande companheiros sendo extremamente sociáveis, cujo treinamento acaba por deixá-los tranquilos em qualquer ambiente e preparados para todas as possíveis situações. Em decorrência ao treinamento os cães respondem prontamente aos comandos básicos de obediência e das tarefas que beneficiem as pessoas com deficiência, dentro e fora de casa. Estes cães estão se tornado cada vez mais importantes no auxílio das pessoas com deficiência auditiva, sensorial, intelectual ou motora. É cada vez mais comum ver esses cães pelas ruas. Os cães de assistências recebem um treinamento específico para cada serviço, que são eles: Cão-guia: treinados para ajudar a dar uma maior mobilidade e independência aos deficientes visuais. Cão-ouvinte: treinado para dar assistência aos surdos, ou deficientes auditivos. Cão de alerta para diabéticos: treinados para detectar a queda do nível de açúcar no sangue, através do faro. Cão terapeuta: trazem benefícios para a saúde física, mental e emocional de pacientes em hospitais e asilos. Eles ajudam pessoas com deficiências mentais, com problemas de aprendizagem, com dificuldades em se socializar. Cão de serviço psiquiátrico: dá assistência para pessoas que sofrem com ataques de pânico, estresse pós-traumático, depressão ou autismo. Cão de alerta de convulsão: treinado para alertar sobre uma convulsão consegue avisar seu tutor antes que isso aconteça. Cão de resposta para convulsão: Diferente do cão de alerta de convulsão, o cão de resposta para convulsão não prevê que isso vai acontecer, mas é treinado para ajudar seu tutor durante ou logo após uma convulsão. Cão de serviço de mobilidade: importantes para pessoas com mobilidade reduzida, como os cadeirantes. Eles são treinados para pegar objetos, acender ou apagar luzes, abrir gavetas e armários, e até mesmo, ajudar seu tutor a se vestir. Cão de alerta de alergia: eles podem ser treinados para reconhecer cheiros específicos, como glúten ou amendoim. Isso ajuda pessoas alérgicas a evitar alimentos que não podem consumir. Hoje nosso município conta com a Lei Nº 3.758, que dispõe sobre o ingresso e a permanência de cães-guia e de assistência para pessoas com deficiências em locais públicos ou privados de uso coletivos.

© 2020 Jornal de Paulínia