Aposentada cadeirante que estava foragida, é presa por suspeita de estupro de vulnerável

A mulher teria sido conivente com o estupro do próprio neto


Na manhã de quarta-feira (8), a Polícia Militar prendeu uma aposentada cadeirante de 55 anos, que foi condenada a 14 anos e sete meses de prisão em regime fechado por estupro de vulnerável. De acordo com a PM, a mulher teria sido conivente com o estupro do próprio neto. O processo sobre o caso está sob segredo de Justiça. Ela foi localizada pela polícia em sua casa, no município de Nova Odessa, após o cumprimento de um disque denúncia. Ela foi transferida à Penitenciária Feminina de Campinas, onde permaneceu à disposição da Justiça. Segundo informações do boletim de ocorrência, por volta das 9h de quarta-feira, os policiais militares foram checar uma denúncia sobre a localização de uma mulher, que seria foragida da Justiça. Os policiais estiveram na casa da aposentada, onde ela foi localizada. A mulher foi levada à Delegacia Municipal, onde os policiais confirmaram que o mandado de prisão foi expedido pela 2ª Vara Judicial da Comarca de Nova Odessa, devido à sua condenação. O caso foi registrado pelo delegado Cláudio Eduardo Nogueira Navarro. Ele avisou sobre a prisão ao advogado e uma cuidadora da aposentada. Após prestar depoimento, a mulher foi levada à Penitenciária Feminina de Campinas.


OUTRO CASO Em outra abordagem distinta realizada pela PM, um homem com mandado de prisão por envolvimento em estupro de vulnerável, foi preso por volta das 16h de terça-feira (7) em Hortolândia. Ele foi abordado após o patrulhamento de rotina no bairro. O processo também corre sobre segredo de Justiça. Com informações do jornal Tribuna Liberal.

© 2020 Jornal de Paulínia