Ambulatório de Saúde do Homem de Paulínia completa dez anos e convida paulinenses a cuidarem da saúd

A unidade de saúde direcionada à homens, acredita na prevenção, vigilância e acompanhamento


A vida não tem preço, certo? Mas todos nós, brasileiros, que possuímos um automóvel pagamos obrigatoriamente o imposto DPVAT no licenciamento anual. Em caso de morte, o Governo Federal paga R$ 13.500,00 para a família do falecido. Nos acidentes aéreos, o valor pode chegar a R$ 3 milhões. A pergunta é: podemos colocar preço em algo tão valioso, tão precioso?

Como medir a importância do Ambulatório de Saúde do Homem de Paulínia, que completa dez anos no próximo dia 28 de julho?

Pela quantidade de pacientes atendidos? São 3.400 pacientes cadastrados. Todo ano são realizadas 1.400 consultas, com retornos programados, em pacientes que nunca tiveram acompanhamento médico rotineiro. Como quantificar este benefício?

Pelo número de pacientes orientados em relação à prevenção de várias doenças? O Ambulatório de Saúde do Homem é a maior fonte de encaminhamentos para imunização contra hepatite B nas Unidades Básicas de Saúde. Também se realiza a pesquisa de doenças relacionadas ao coração, diabetes, doenças do fígado e dos rins.

Poderíamos medir a sua importância pela quantidade de pacientes orientados em relação às doenças sexualmente transmissíveis? Os diagnósticos de sífilis são frequentes, quase sempre desconhecidos pelo paciente. A incidência de doenças relacionadas à prática sexual não-protegida é grande, e a orientação adequada é a única maneira de diminuir essa incidência. O impacto dessas ações é difícil de ser quantificado.

Como medir a mudança de mentalidade de uma população? Pacientes que passaram a frequentar o consultório em intervalos regulares para manutenção de sua saúde, ao invés de procurar assistência médica apenas quando doentes ou com sintomas típicos de algum problema de saúde mais avançado?

Como avaliar o impacto de ações realizadas ao longo de tantos dias? Pela satisfação dos pacientes em relação ao atendimento? Pelos dias de vida preservados naqueles pacientes que tiveram diagnóstico de graves doenças – entre elas o câncer de próstata - durante o acompanhamento, e que provavelmente seriam diagnosticados apenas quando tivessem doença avançada? Quantos dias de vida produtiva foram preservados pela vigilância em saúde nesta população de homens?

Não há resposta para essa pergunta, como não há para aquela que abre esse texto. Mas quem perde alguém querido sabe que nenhum dinheiro paga ou indeniza a ausência, a dor e a solidão. O Ambulatório de Saúde do Homem de Paulínia acredita na prevenção, vigilância e acompanhamento. A unidade de saúde comemora dez anos de atendimento e convida você, homem paulinense, a escrever a história dos próximos anos. Converse em sua Unidade Básica de Saúde e se informe sobre o encaminhamento. “Continuaremos tendo todo prazer em atendê-los”, Equipe Saúde Homem Paulínia.