Os jovens e sua importância para a política, por Dr. Roberto Daher


Aproximando-se as eleições municipais, vê-se nas redes sociais um clamor quase que geral por mudanças radicais na vida política local.

Isso decorre do fato de que a política está totalmente desacreditada por grande parte da população, que tem todos os motivos para isso. Mudança constantes na chefia do Executivo, ausência de um plano de Governo duradouro, atuação aquém do desejado do Poder Legislativo, dentre outras, acabam maculando a imagem institucional dos Poderes Municipais constituídos, gerando, como acima dito, um descrédito geral.

Portanto, não é difícil concluir que a transformação do processo político não deve se cingir tão somente à simples mudança de nomes, mas, principalmente, deve haver a mudança de posturas.

Para termos esta mudança de postura, vislumbro a inafastável necessidade e suma importância da participação dos jovens.

Muito pertinente a afirmação de Natanael Oliveira de que “... para que o processo político brasileiro seja transformado, é necessário que plantemos as sementes. E as sementes estão nos jovens.

Segundo dados obtidos junto ao Tribunal Regional Eleitoral, aproximadamente 22% dos eleitores ativos do nosso município – portanto pouco menos de um quarto dos eleitores – tem entre 16 e 29 anos.

Pelos mesmo motivos que as pessoas se afastam da vida política, qual seja o descrédito nas instituições, os jovens também não têm dado a necessária importância de sua participação na política local, vendo-a como algo supérfluo. Some-se a isso a ausência de projetos éticos voltados para a juventude e de sinais concretos de mudanças.

Isso é extremamente preocupante. É essencial que os jovens sejam motivados a participar de uma política nova, pautada por um processo de construção do futuro coletivo.

E cabe a nós, pais, responsáveis, educadores, formadores de opinião, dentre outros, fazê-lo.

Felizmente percebo que parte da juventude tem percebido essa necessidade, sobretudo nos bancos das escolas e Faculdade, onde desenvolveram um pensar crítico e reflexivo, visando sobretudo respeito à diversidade e a construção de caráter.

Vejo com satisfação alguns alunos meus saindo como pré-candidatos e outros manifestando apoio incondicional a pessoas que entendem estar comprometidas com a sociedade, pretendendo, deste modo, impor mudanças radicais no quadro que hoje se apresenta na vida política paulinense.

Não existe melhor momento para que a juventude possa refletir sobre o melhor plano político para o nosso município e ajudar concretamente para a mudança de postura a que acima me referi, começando por escolher pessoas efetivamente envolvidas nesse processo, aquelas que venham a apresentar propostas de políticas públicas concretas e exequíveis e apontar soluções para os problemas hoje presentes, de forma a buscar o atendido o interesse coletivo.

Ademais, devem utilizar de ferramentas que tão bem dominam, as redes sociais, para apontar seus anseios, indicar seus interesses e, principalmente, demonstrar àqueles que anseiam cargos públicos, que tem integral conhecimento de sua importância para a vida política e que haverão de ter, ainda que indiretamente, uma participação, como protagonista, no processo de mudança da política local.

Nunca os jovens adolescentes e jovens estiveram tão equipados e preparados, considerando informação e tecnologia, para promover essas transformações. Que não percam a oportunidade.

© 2020 Jornal de Paulínia