‘Uber’ dos personal trainers chega ao Brasil e abre 2 mil vagas para profissionais de educação físic

A empresa tem para profissionais de educação física autônomos que, por meio de sua plataforma possam dar aulas a alunos do mundo todo


Treinar em casa tornou-se muito comum no período de isolamento. Pessoas de todos os perfis encontraram no mundo on-line uma forma de iniciar ou de manter a prática de exercícios físicos e preservar a saúde mental. Mas, para os profissionais de educação física ficou bem difícil manter a renda, já que as academias seguem fechadas há mais de dois meses e nem todos os alunos mantém a rotina de treinos remotos. Pensando em profissionalizar o mercado brasileiro de aulas com personal trainer, a americana Magic Fitness chega ao Brasil com proposta de aulas personalizadas por R$ 35 e uma nova alternativa de renda para os profissionais dessa área.

De largada, a empresa tem 2 mil vagas para profissionais de educação física autônomos que, por meio de sua plataforma possam dar aulas a alunos do mundo todo. Com investimento de R$ 6 milhões na plataforma e 10 mil aulas em português, a empresa se tornou, em abril, responsável pelos atendimentos on-line de alunos do Gympass, plano corporativo de atividades físicas.

Fundada nos Estados Unidos, a Magic Fitness já intermediou 35 mil aulas. A proposta é profissionalizar a relação aluno-professor com um novo formato de aulas on-line individuais. Com isso, dar oportunidade de renda para os professores que são, em sua maioria, autônomos.


Vagas para brasileiros

A Magic Fitness está com 2 mil vagas para profissionais de educação física que desejarem dar aulas por meio da plataforma.

A adesão é prática e todos os profissionais passam por um processo de avaliação para garantir que os professores da startup tenham qualificação e infraestrutura adequadas. Para mais informações, os interessados devem acessar magic.fitness.

“A vantagem de ser um profissional da Magic Fitness é que o professor poderá dar aulas para alunos de outros países, no fuso horário que lhe convier. É uma maneira de ampliar muito a atuação, ainda mais neste momento em que tantas pessoas deixaram de ir a academias ou não podem treinar nas ruas”, destaca Ruy. “Esse hábito de treinos on-line veio para ficar”, aposta o fundador Julian.

© 2020 Jornal de Paulínia