Empresa de cerimoniais realiza “casamento virtual” de casal paulinense devido a quarentena

O grupo optou por implantar o sistema desenvolvido e utilizado em outros países, o “Elopement Wedding”

Em tempos de isolamento social, empresas que organizam casamentos estão tendo que se reinventam para realizar o sonho de casais e manter algumas cerimônias que já estavam agendadas. O Grupo Imagem, de Paulínia, optou por implantar o sistema desenvolvido e utilizado em outros países, o “Elopement Wedding”, que em tradução livre significa casamento a dois.

A cerimônia é feita apenas com a presença dos casais; do mestre de cerimônia ou o padre ou o pastor — como queiram os noivos; do cerimonialista; do fotógrafo e cinegrafista. O evento é realizado em local escolhido dos noivos. Porém, com a quarentena imposta como forma de evitar a propagação da Covid-19 e manter a tradição das cerimônias presencias, com convidados, que é sonho da maioria dos noivos, o Grupo Imagem implantou a forma virtual.

Em entrevista ao jornal campineiro Correio Popular eles contaram como conseguiram realizar o sonho de um casal de Paulínia no último sábado (16).

"Pesquisamos outras experiências, analisamos e decidimos montar um projeto, no qual fosse feita a transmissão ao vivo com a participação dos padrinhos e convidados. Apresentamos a proposta para alguns casais que não queriam desmarcar a cerimônia. Um deles aceitou e realizamos no último sábado", contou a diretora do grupo, Marilena Aparecida de Oliveira Paniczeka. "A proposta é promover um casamento real para que os casais não deixem de realizar o sonho da cerimônia", acrescentou.

Segundo Marilena, os preparativos seguem os mesmos de um casamento presencial. Foi feito convite para os convidados e padrinhos, no qual foi informado, além da data e horário, o link da plataforma para que fosse acessado pelo Youtube, Facebook e Instagram. O convite foi via WhatsApp. "Foi montado um telão de seis metros e nele foi feita a interação dos convidados com o casal. Foi uma experiência muito boa", disse a diretora ao jornal.

A estreia do projeto realizou o sonho da bancária Leilane Bortolotti Victor, de 32 anos, e do policial militar Rafael Lúcio dos Santos Victor, de 37 anos, que realizaram a cerimônia no Castelo, em Vinhedo. Nesse caso, o Grupo Imagem autorizou a participação dos pais dela e da mãe dele, além do pajem, que foi o filho casal, Arthur, de 8 anos.

O cerimonial obedeceu todas as regras impostas pela Vigilância Sanitária e contou com a presença de uma ambulância, que mediu a temperatura de todos os participantes.

"Já tínhamos adiado a cerimônia por outras vezes e não queríamos fazer isso novamente. A cerimônia foi planejada há um ano. Era nosso sonho e escolhemos maio por ser o mês da noiva e do meu aniversário", disse Leilane.

O casal se conheceu há 17 anos, em Pederneira, e há 12 anos moram juntos. A cerimônia planejada por eles foi adiada antes por motivos diversos. "Ficou do jeito que sempre sonhamos. Deu para viver tudo, com a mesma emoção da cerimônia presencial. Tivemos ao nosso lado, mesmo de forma virtual, as pessoas que queríamos", disse a bancária.

Entre os padrinhos, estava o casal de amigos formado pela cabeleireira Taís Costa, de 33 anos, e o policial militar Ricardo Gonçalves, de 44 anos, que acompanharam de casa, com os filhos. "Nos preparamos da mesma forma que estaríamos no presencial e fiz uma homenagem a eles", disse Taís.

A cerimônia durou cerca de 1h30 e contou com 70 convidados. Segundo Marilena, o custo do evento fica cerca de 80% mais barato do que se pagaria no presencial, que custaria entre R$ 70 e R$ 80 mil. "Já estamos negociando 30 casamentos programados até julho. Os que desmarcaram, porque querem presencial, remarcamos para o ano que vem, que já está com a agenda apertada", disse a diretora ao Correio Popular.