Após quatros anos, alunos da rede pública voltam a receber kits escolares

Todo material foi adquirido com verbas próprias da Administração, que investiu mais de R$ 1 milhão em 19.360 kits


Depois de quatro anos, todos os alunos da rede municipal de Educação começaram, na tarde da última terça-feira (3) a receber os kits escolares.

Segundo a Prefeitura, no total, serão distribuídos 1.9360 kits aos estudantes dos Ensino Infantil, Fundamental I e II, Técnico e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Crianças matriculadas nas creches conveniadas via Programa de Educação Básica (PROEB), também serão beneficiadas.

O processo de compra começou em outubro pela secretária de Educação, Meire Muller, que viabilizou a aquisição dos kits junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

Todo material foi adquirido com verbas próprias da Administração, que investiu cerca de R$ 1.159 milhão.

“A equipe da Secretaria de Educação vem buscando oferecer uma educação de qualidade para todos os estudantes paulinenses. São muitos os desafios, mas com o empenho e dedicação vamos superando os problemas existentes”, comentou Meire, que reforçou o empenho de toda Administração durante o processo.

“Temos um compromisso com a educação, cuja principal meta é a formação de uma sociedade mais justa. Já chamamos professores, agora entregamos os materiais e compramos as bolsas e mochilas. Pés no chão e trabalhando vamos avançar”, declarou o prefeito Du Cazellato, que acompanhou a chegada dos kits.


Bolsas e mochilas

A Prefeitura de Paulínia já concluiu o processo de compra das bolsas, mochilas e estojos que serão entregues aos alunos. A estimativa é que os materiais sejam distribuídos em até 60 dias.


Professores

Para reforçar o quadro de servidores da Educação, 107 novos professores foram convocados, além de dois diretores. “Estamos fazendo todo processo seguindo as leis existentes, para evitar problemas maiores lá na frente. Com este número já estamos atendendo as demandas que existiam e quando finalizarmos todo processo vamos dar um salto na educação”, explicou Meire.