Justiça decreta prisão do vereador Tiguila Paes

O parlamentar teria que se entregar à Justiça na quinta-feira(7) até as 12h


A Justiça decretou a prisão do vereador de Paulínia, Tiguila Paes (Cidadania), investigado por golpes em vendas de casas na cidade. Tiguila foi denunciado pelo Ministério Público (MP-SP) pelos crimes de organização criminosa, estelionato e lavagem de dinheiro, e tinha até o meio-dia de ontem (7) para se apresentar à polícia. Segundo o advogado, o vereador é inocente e ainda não se entregou pois está em viagem com a família desde quarta (6). Ele já entrou com pedido de habeas corpus.

Os crimes apontados pela promotoria teriam ocorrido entre os anos de 2014 e 2015, quando Tiguila e outros denunciados teriam enganado diversas pessoas em uma simulação de vendas de casas em um residencial em Paulínia. A Justiça já havia decretado o bloqueio de bens de Tiguila no mês de em outubro.

O bloqueio dos bens visa a, dentre outros fins, garantir o ressarcimento das pessoas lesadas, ao final do processo.

"As vítimas, atraídas pelo preço acessível, pela desburocratização da venda e possibilidade de pagamentos parcelados, foram enganadas e acabaram sendo lesadas pelo grupo criminoso", destacou o MP após a Justiça acatar a denúncia.

Ainda segundo a promotoria, o golpe na venda das casas "foi possibilitado com o envolvimento de Paes, de outros servidores públicos ainda não identificados e da entidade Frente de Defesa dos Direitos e Interesse Popular".

O MP afirma ainda que os réus passaram a ocultar o patrimônio adquirido mediante a venda destes terrenos.

“Eles depositaram e movimentaram o dinheiro entregue pelas vítimas em suas contas bancárias e adquiriram bens. A dissimulação do patrimônio obtido de forma ilícita foi desvendada a partir da quebra do sigilo bancário e fiscal dos denunciados”, diz a nota do MP.


Defesa

Representante de Tiguila, o advogado Juan Felipe Camargo Coimbra de Souza disse que já entrou com o pedido de habeas corpus e que ainda não conseguiu contato com o cliente, que saiu em viagem com a família na quarta pela manhã.

"Como não consegui o contato com ele, hoje (7), muito provavelmente, não vou apresentá-lo. Mas meu cliente irá se apresentar. Não quer ser foragido", pontuou.

Em nota, a assessoria do parlamentar afirma que Tiguila "é inocente, vítima de acusações mentirosas e que provará à Justiça tais inverdades. Importante ressaltar que outros indiciados relataram publicamente que o vereador não tem nenhuma relação com história”.