“Edson Moura foi quem instaurou a corrupção em Paulínia”, segundo jornalista da Band


Jornalistas da Band destacaram o histórico politico com processos e irregularidades na era Moura



A emissora Band Campinas iniciou uma série de entrevistas com os candidatos a prefeito na eleição suplementar em Paulínia. O primeiro candidato a participar das entrevistas, foi o candidato do PSL, Capitão Cambuí, na sexta-feira (16). Na segunda-feira (19), foi a vez de Du Cazellato (PSDB) e na terça-feira (20) Nani Moura (MDB). Os candidatos tiveram 15 minutos de entrevista para apresentar suas propostas e responder o porquê querem ser o (a) prefeito (a) de Paulínia com um prazo tão curto de mandato.

Zezé de Lima e Rose Guglielminetti foram as jornalistas que entrevistaram os candidatos.


Nani Moura

As indagações para Nani Moura foram baseadas no histórico político de seu marido, o ex-prefeito Edson Moura.

Nani disse que gostaria que Paulínia se tornasse referência em saúde, educação e segurança na RMC e até mesmo nacionalmente.

Zezé de Lima questionou Nani sobre qual época ela se referia e quem era o administrador da cidade na época citada. A esposa de Edson Moura mais do que depressa respondeu que na época em que seu marido administrava Paulínia.

“Mas foi uma época em que a corrupção foi um problema para Paulínia, candidata. Ele respondeu por vários processos, alguns que foram ate prescritos devido ao prazo. Quando elogia, a senhora tem criticas a fazer também ou não?”, perguntou a jornalista Zezé de Lima.

Nani chegou a negar, dizendo que os processos prescritos não tinham nada a ver com a politica, que eram ações empresariais. Ela se referiu ao processo de vários contratos de compra e venda de cotas de empresas como a 2M do Brasil Indústria e Comércio Ltda, além de negociações com a Edimon Ltda, e Sauro Brasileira de Petróleo.

“O ex-prefeito tem uma série de processos de irregularidades, que inclusive foi impedido de ser candidato por ser ficha suja”, relembrou a jornalista Rose Guglielminetti.

Guglielminetti chegou a afirmar que Edson Moura é conhecido como o prefeito que instaurou a corrupção em Paulínia. “Sua gestão será dessa forma candidata?”, questionou Rose causando visivelmente um desconforto em Nani Moura.

Nani tentou por diversas vezes defender Edson Moura, dizendo que se ele realmente for culpado de todas as acusações ele iria pagar e que cabe somente a Justiça condená-lo. Que as acusações eram infundadas e que ‘não existe nenhum processo que ele tenha roubado R$ 1 real da prefeitura’,

“O processo que o impede de ser candidato é justamente o processo pela troca de ‘pai pelo filho’, por fraude eleitoral”, acrescentou Nani.

Zezé rebateu com a seguinte frase: “Esse processo que o Edson Moura responde, pelo qual ele não pôde competir e que teve que colocar o filho é sim sobre corrupção, desvio de dinheiro publico. Foram R$ 12 milhoes desviados nas áreas da saúde, educação e segurança. Seu marido responde por quase 30 processos. Nós estamos falando de processos que Edson vem recorrendo desde 2000. Tem processo correndo com ele há quase 20 anos candidata”, acrescentou a jornalista.

Por diversas vezes desconcertada e sem muitos argumentos, Nani Moura continuou afirmando que somente a Justiça pode condenar Edson Moura pelas irregularidades supostamente cometidas.

Rose questionou Nani sobre a participação do marido em sua gestão, caso eleita.

“Ele estará me assessorando quando eu não souber o que fazer”, finalizou a candidata do MDB.

O Jornal de Paulínia procurou a assessoria de Nani Moura para um posicionamento sobre as afirmações das jornalistas.

"A candidata a prefeita Nani Moura (MDB) esteve no Grupo Band em atendimento ao pedido da reportagem para falar do seu plano de governo, expresso na proposta Reconstruindo Paulínia. A opção da reportagem em falar apenas do ex-prefeito Edson Moura pareceu desrespeitosa com a candidata e com o povo paulinense.O ex-prefeito tem feito e usará do direito a ampla defesa para provar sua inocência em todos os processos.Quanto as alegações da reportagem são de responsabilidade do Grupo Band e das entrevistadoras as afirmações. A candidata Nani Moura e seu vice, Cícero Brito são ficha limpa e estão aptos à disputa do pleito que acontece no dia 1° de setembro, para junto com o reconstruir Paulínia", disse em nota.


Capitão Cambuí

O primeiro a participar da série de entrevistas, esteve nos estúdios da Band Campinas na última sexta-feira. Capitão Cambuí estava com uma ‘praguinha’ de campanha com a foto do presidente Jair Bolsonaro estampado no peito.

Rafael Cambuí disse que quer ser o prefeito de Paulínia porque quer “colocar a casa em ordem”.

“Eu quero utilizar minha experiência como administrador da Polícia Militar para poder acabar com a corrupção e trazer saúde e educação para a população. É o que dá para ser feito nesse curto prazo e vai ser um grande desafio”, disse o Capitão.

O Capitão Cambuí ‘bateu diversas vezes na mesma tecla’ sobre o combate a corrupção em Paulínia, assim como o Bolsonaro fez durante a sua campanha para presidente da república.

“Acredito que é muito favorável (a imagem ‘bolsonarista’), demonstra confiança que a população tem na Polícia Militar e no trabalho que a gente faz 24 horas por dias em prol de servir ac comunidade. Fico feliz que a população tenha escolhido diversos policiais militares para ocupar cargos democraticamente eleitos”, enfatizou Cambuí.


Du Cazellato

O candidato do PSDB, Du Cazellato iniciou a entrevista afirmando que quer ser o prefeito de Paulínia porque acredita que o município tem condições de melhorar. Mesmo sendo em um espaço tão curto, Cazellato disse ser possível fazer bastante coisa pela cidade.

Du Cazellato relembrou de suas ações enquanto esteve prefeito interino no município por 76 dias, assim que foi decretada a saída do ex-prefeito Dixon Carvalho.

Segundo Cazellato, foram feitos cortes em diversos cargos em comissão e que, ele conseguiu entregar o cofre com saldo de R$ 132 milhões. Na época em que assumiu a cadeira de prefeito, os cofres públicos continham R$ 27 milhões.

Ele explicou que conseguiu tal feitio com redução de diversos contratos em especial, o do transporte urbano, que prejudicasse o serviço prestado.

O candidato ainda falou que sua prioridade se eleito, é com a saúde e educação.

“O que esta ocorrendo em Paulínia hoje é uma má administração. Dinheiro nossa cidade tem, só precisa saber investir nos serviços prioritários para a nossa população paulinense”, afirmou Cazellato.

As entrevistas com os candidatos ocorrem todos os dias até a próxima quarta-feira (28).


© 2020 Jornal de Paulínia