Vereadores mirins visitam prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo

A visita é uma das atividades da Câmara Jovem, eleita em maio e composta por 15 vereadores mirins

Estudantes de seis escolas paulinenses estiveram na terça-feira (13) na Assembleia Legislativa de São Paulo, para compreender o papel do Poder Legislativo e o trabalho dos deputados estaduais. Os alunos fazem parte da Câmara Jovem de Paulínia, eleita em maio e composta por 15 vereadores jovens (mais suplentes).

Na visita monitorada, eles andaram pelo Prédio 9 de Julho, na região do Ibirapuera; conheceram gabinetes parlamentares; assistiram trechos de comissões permanentes e acompanharam uma sessão ordinária, sempre acompanhados por servidores da Câmara Municipal.

Foi uma oportunidade para os jovens terem noções sobre a rotina dos 94 deputados, conhecerem a história da Casa, notarem os diferentes tons de discursos; dos mais brandos aos mais fortes, vivenciarem discussões de temas relevantes; como segurança pública e moradia, e ganharem um exemplar da Constituição Federal e do Estado.

A visita é uma das atividades da Câmara Jovem. O projeto tem início nas escolas, com registro de candidaturas, campanhas e eleições internas. Os mais votados tomaram posse, conheceram a Câmara de Paulínia, participaram de oficinas e apresentaram as primeiras propostas para a cidade. Em setembro, será o momento de debater e votar projetos de lei, recomendações à Prefeitura e outras sugestões de melhorias.

Seis instituições de ensino atuam como parceiras, sendo duas municipais, duas estaduais e duas particulares: EMEFM Maestro Marcelino Pietrobom, EMESFM Vitor Szczepanski e Souza Silva, E.E. Padre José Narciso Vieira Ehrenberg, E.E. Residencial São José, Colégio Integral e Colégio Metropolitan Paulinense.

A primeira edição do projeto foi concluída em dezembro de 2018, com 44 propostas apresentadas, envolvendo tanto demandas escolares, como construção de quadra, mudança na merenda e cortina na sala de aula, como assuntos mais abrangentes: pedidos para melhorar a iluminação pública, ampliar atividades de educação e lazer e ainda estabelecer tempo máximo de espera para atendimento em hospitais, por exemplo.