Atos de Loira como "prefeito interino" causam bloqueio de contas e dificuldades com pagame

O problema surgiu depois de pedidos de bloqueios das contas da administração municipal em dois bancos

(Internet): Loira foi empossado como prefeito por vereadores no dia 4 de janeiro.

O prefeito interino de Paulínia, Du Cazelatto (PSDB), em entrevista cedida a diversos veículos de imprensa na manhã de quinta-feira (10), admitiu que o Executivo tem encontrado dificuldades em pagamentos de fornecedores. Segundo Cazelatto, o problema surgiu depois de pedidos de bloqueios das contas da administração municipal em dois bancos, solicitados pelo atual presidente da Câmara Municipal, Antônio Ferrari (DC), o Loira.

Dos dois bancos que receberam o pedido feito por Loira, apenas a Caixa Econômica Federal efetuou o bloqueio por dois dias. De acordo com Du, os valores foram liberados na quinta-feira (10). O Santander não atendeu ao pedido.

Por um impasse em relação a quem deveria ocupar o cargo, Cazelatto e Loira chegaram a despachar ambos como prefeitos da cidade na sexta (4) até segunda (7). Loira iniciou uma briga judicial para assumir o comando do Executivo, pois se entendeu ser o substituto natural do prefeito e vice-cassados. Ambos foram cassados em novembro de 2018 pela Justiça Eleitoral porque não tiveram as contas da campanha de 2016 aprovadas.

Loira foi empossado como prefeito por vereadores no dia 4 de janeiro. Após esta decisão do Legislativo, ele fez exonerações e duas nomeações, além de pedir o bloqueio das contas, segundo o prefeito interino Du Cazelatto.

Fonte G1

© 2020 Jornal de Paulínia