Ranking de municípios com maior PIB per capita em 2016 é liderado por Paulínia

O município assumiu a liderança do ranking de 2016, com um PIB per capita de R$ 314,6 mil

Segundo levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última sexta-feira (14) mostra que 5 dos 10 municípios com maior PIB (Produto Interno Bruto) per capita (por habitante) em 2016 estavam no estado de São Paulo.

A cidade de Paulínia, onde a principal atividade econômica é o refino de petróleo, devido à Replan, assumiu a liderança do ranking de 2016, com um PIB per capita de R$ 314,6 mil. Em seguida, na segunda posição, ficou Selvíria, no estado do Mato Grosso do Sul, com valor de R$ 306,1 mil. A cidade tem a economia fortemente ancorada na geração de energia hidrelétrica. No ranking do ano anterior, a liderança foi da cidade de Presidente Kennedy (ES) e Paulínia ficou em 2º lugar.

Segundo dados revisados e divulgados pelo IBGE no mês passado, em 2016, o PIB recuou 3,3%. Em valores correntes, ele chegou a R$ 6,266 trilhões naquele ano, e o PIB per capita ficou em R$ 30.407.

Cidades com maior PIB per capita em 2016:

Paulínia: R$ 314,6 mil

Selvíria (MS): R$ 306,1 mil

São Francisco do Conde (BA): R$ 296,4 mil

Triunfo (RS): R$ 289,9 mil

Brejo Alegre (SP): R$ 274,6 mil

Sebastianópolis do Sul (SP): R$ 253,1 mil

Louveira (SP): R$ 250,8 mil

Campos de Júlio (MT): R$ 202,3 mil

Meridiano (SP): R$ 184,6 mil

Extrema (MG): R$ 183,2 mil

Essas 10 cidades com os maiores valores por pessoa representavam apenas 0,1% da população do país em 2016. Historicamente, o Top 10 é composto por municípios com baixa densidade demográfica e forte presença industrial.

Na 3ª posição do ranking, São Francisco do Conde, na Bahia, também tem a economia sustentada pelo refino de petróleo. Na 4ª aparece Triunfo, no Rio Grande do Sul, ancorado na indústria petroquímica.

Além de Paulínia, outros quatro municípios paulistas integram o grupo dos dez com maiores PIBs per capita. São eles: Brejo Alegre, com R$ 274,6 mil por pessoa, Sebastianópolis do Sul, com R$ 253,1 mil, Louveira, com R$ 250,8 mil, e Meridiano, com R$ 184,6 mil. Louveira se destaca pelo comércio atacadista, enquanto os outros três têm a economia alicerçada na indústria de biocombustíveis.

Na 8ª posição, Campos de Júlio, no Mato Grosso, tem sua economia impulsionada pela agropecuária. Na 10ª posição, Extrema, em Minas Gerais, tem como destaque da economia a indústria de transformação.

Cidades com menor PIB per capita está no Nordeste

Dentre os 571 municípios com os menores PIBs per capita (todos acima da posição 5.000 no ranking), 496 estão no Nordeste, 44 no Norte e 31 no Sudeste. As regiões Sul e Centro-Oeste não têm nenhum município neste grupo.

O Instituto destacou que apenas dois destes municípios, entre os 571, não tiveram a administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social como principal atividade econômica. São eles: Barra do Corda e Paço do Lumiar, ambos no Maranhão.

Das 10 cidades com menor per capita, 6 são do Maranhão.

Cidades com menor PIB por habitante em 2016:

Novo Triunfo (BA): R$ 3.190

Nina Rodrigues (MA): R$ 4.282

Ipixuna (AM): R$ 4.533

Penalva (MA): R$ 4.530

Pires Ferreira (CE): R$ 4.585

Santana do Maranhão (MA): R$ 4.586

Cajapió (MA): R$ 4.689

Satubinha (MA): R$ 4.766

Matões do Norte (MA): R$ 4.803

Dados IBGE

(Internet) Principal atividade econômica de Paulínia é o refino de petróleo, devido à Replan.