Paulínia está em estado de alerta com risco de surto para dengue, zika e chikungunya

Município tem alto índice de infestação pelo mosquito Aedes aegypti

Segundo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2018, Paulínia registrou alto índice de infestação pelo mosquito Aedes aegypti e é uma das 504 cidades brasileiras em estado de alerta ou com risco de surto para dengue, zika e chikungunya. De acordo com dados coletados em outubro, a cidade apresenta Índice de Infestação Predial (IIP) entre 1% e 3,9%. Localidades com nível abaixo de 1% são consideradas com condição satisfatória pelos critérios de análise do Ministério da Saúde.

Em 2018, Paulínia confirmou 18 casos positivos de dengue e três de chikungunya. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, não há ocorrências de zika nem febre amarela na cidade. Confira abaixo a evolução dos números da dengue, chikungunya, zika e febre amarela nos últimos dois anos no município:

Dengue

2018

– 383 notificações

– 344 negativos

– 18 positivos

– 21 aguardando resultados

2017

– 583 notificações

– 559 negativos

– 24 positivos

Chikungunya

2018

– 35 notificações

– 28 negativos

– 3 positivos

– 2 autóctones (contraídos em Paulínia)

– 1 importado (contraído em outro município)

2017

– 42 notificações

– 40 negativos

– 2 positivos

– 1 autóctone (contraído em Paulínia)

– 1 indeterminado

Zika

2018

– 9 notificações

– 9 negativos

2017

– 22 notificações

– 22 negativos

==> Febre amarela

2018

– 6 notificações

– 6 negativos

2017

– 12 notificações

– 10 negativos

– 2 positivos

– 2 importados (contraídos em outros municípios)

– Uma morte

A Prefeitura informou que o trabalho de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika, chikungunya e, no ciclo urbano, da febre amarela –, é praticamente permanente em Paulínia. "Neste ano, inclusive, já foram realizadas inúmeras ações voltadas à conscientização da população como evitar a proliferação do mosquito, também mutirões de limpeza para evitar acúmulo de lixo em residências e arrastões de limpeza", ressaltou em nota.

A Secretaria Municipal de Saúde ainda preparou folhetos para alertar e informar a população que serão distribuídos por toda cidade. Já o Centro de Controle de Zoonoses treinou agentes de Controle de Vetor. Foram capacitados novos agentes que atuam no controle de combate ao mosquito Aedes aegypti na parte de arboviroses (doenças causadas por insetos e aracnídeos) e que atuam no controle de animais sinantrópicos (aqueles que se adaptaram a viver junto ao homem, mesmo contra a sua vontade).

A capacitação de agentes de Controle de Vetor, conforme a Prefeitura, foi "extremamente importante para estarem preparados para combater e realizar a prevenção às doenças como dengue, zika vírus e chikungunya, e também a melhor forma de melhor atender a toda população". E informou que "com essas ações, inclusive, a tentativa é reduzir o mais rápido possível esse índice".

Fonte Paulínia 24 horas notícias/Secretaria Municipal de Saúde

(Internet): Mosquito Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika, chikungunya.