Professor mata namorada e logo após se joga do 16º andar

Segundo a Polícia Civil, o rapaz teria surtado após ler mensagens no celular da vítima

Um professor de educação física de 28 anos matou a namorada, estudante de medicina de 27 anos, e depois se matou em Campinas. As tragédias aconteceram entre a madrugada e começo da manhã de domingo (8), no condomínio Allegro. Segundo a Polícia Civil, Rafael Morais Garcia teria surtado após ler mensagens no celular de Marília Camargo Carvalho e a matou asfixiada.

De acordo com informações da perícia, o jovem matou a namorada por asfixia no início da madrugada de domingo. E, por volta das 6h, ele se jogou do prédio. Marília morava no 16º andar.

Segundo moradores do condomínio, Garcia tinha acesso livre no local. Na noite de sábado (7), ele seguiu para o apartamento da namorada. A polícia suspeita que ele viu o celular dela e surtou. Vizinhos afirmaram que não ouviram barulhos.

Ainda segundo a polícia, o crime foi no quarto, o corpo foi encontrado no chão do cômodo. Após matar a namorada, o professor teria ficado desorientado, entrando e saindo do prédio, mas ninguém desconfiou de nada.

No final da madrugada, ele cortou a tela de proteção da janela e se jogou. Antes, teria tentado se matar com um cabo de celular. Os moradores só descobriram a tragédia com a chegada da polícia.

Ainda segundo a perícia, foram recolhidos para análise computadores, celulares, documentos e as imagens do circuito-interno do prédio, que mostram o rapaz circulando pelo elevador e corredores durante a madrugada.

A família de Garcia é de Itapagipe, em Minas Gerais. Ele se formou no ano passado e estudava para concursos. O jovem morava em um prédio a cerca de 300 metros do condomínio de Marília, que é do Paraná e havia concluído o curso de medicina na sexta-feira (6). A formatura dela estava prevista para o próximo final de semana, segundo parentes dele e amigos dela.

De acordo com informações do casal na linha do tempo da rede social deles, os jovens namoravam desde novembro de 2014. Segundo tios de Garcia, o casal demostrava que era apaixonado. "Acreditamos que ele estava depressivo, mas não demonstrava", disse um tio, que estava em estado de choque. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial (DP), no Botafogo.

Fonte Correio Popular

(Alenita Ramirez): O jovem matou a namorada por asfixia no início da madrugada de domingo.