RMC registra mais de 10 mil multas por embriaguez ao volante nos últimos 10 anos

Os dados foram divulgados na última terça-feira (19), data que marca o aniversário de 10 anos da chamada Lei Seca

(Ilustrativa): O álcool é a segunda maior causa de mortes no trânsito no Brasil.

Entre 2008 e 2017, a Região Metropolitana de Campinas (RMC) registrou 13.428 multas por embriaguez ao volante, de acordo com o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP). Os dados foram divulgados na última terça-feira (19), data que marca o aniversário de 10 anos da chamada Lei Seca.

Segundo o Detran-SP, o número leva em consideração as multas aplicadas em área urbana, em ações do Programa Direção Segura e operações rotineiras da Polícia Militar (PM), considerando os registros até outubro de 2017. Trechos de rodovias são de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e da Polícia Rodoviária.

A cidade de Campinas, mais populosa entre as 20 cidades da RMC, concentra o maior número de casos: 3.897. Engenheiro Coelho, com 60 autuações no período, é o município com menos infrações por embriaguez.

Depois de Campinas, as vizinhas Americana e Santa Bárbara d'Oeste são as cidades com o maior número de infrações. As duas registraram aumento nas multas em 2017 na comparação com o ano anterior.

Desde 2008, em Paulínia foram 390 autuações por embriaguez ao volante. Só no ano de 2016, foram 90 multas aplicas à motoristas.

Não é acidente

O álcool é a segunda maior causa de mortes no trânsito no Brasil, afirma a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet). O primeiro deles é a velocidade acima do permitido. E os dois podem ser evitados com atitudes simples: não correr e não beber.

O risco de um acidente fatal é multiplicado por 5 quando o motorista dirige a uma velocidade 50% superior à permitida ou com 0,5 g/L de álcool no sangue (equivalente a duas taças de vinho em média), conforme avaliação do Conselho de Segurança Viária da União Europeia.

Fonte G1

© 2020 Jornal de Paulínia