Motoristas de Sumaré protestam contra agressão sofrida por condutora

Após paralisação afetar linhas, motoristas decidiram voltar ao trabalho em reunião com a Prefeitura

Motoristas do transporte urbano e metropolitano de Sumaré encerraram a paralisação e retornaram ao trabalho na terça-feira (12). A manifestação dos profissionais afetou 30 mil passageiros e 27 linhas. Eles protestaram contra a agressão sofrida por um condutora na última semana e a falta de segurança dos coletivos.

A Viação Ouro Verde informou que já havia convocado os funcionários a voltarem ao trabalho e acionou a Justiça para que as operações retornassem imediatamente. A empresa ainda afirmou que a motivação do movimento é justa, mas se posicionou contra a paralisação por entender que leva prejuízos para a população, além de afetar a receita em tempos de crise.

Os motoristas se reuniram na porta da empresa nas primeiras horas da manhã, mas depois organizaram um bloqueio na entrada da cidade impedindo o tráfego de veículos por ao menos 2 horas. O trânsito ficou lento no local. Alguns condutores chegaram a subir no canteiro central da via para escapar do protesto.

Os manifestantes também se concentraram em frente à Prefeitura de Sumaré com faixas e cartazes pedindo mais segurança.

Agressão

A motorista foi agredida no dia 7 de junho depois de chegar ao ponto final de parada com dez minutos de atraso. Ela conduzia um ônibus da linha 155, que liga o Terminal Rodoviário ao bairro Maria Antônia. O agressor é um motorista de uma van e a Prefeitura informou que ele teve a permissão para dirigir cassada.

O sindicato dos motoristas de ônibus divulgou que o caso não teve a devida atenção e, por isso, resolveram parar as atividades por tempo indeterminado.

O que diz a Prefeitura

Por meio de nota oficial, a Prefeitura de Sumaré informou, que apresentou na reunião encaminhamentos em conjunto com as polícias Militar e Civil. Durante o encontro, ficou acordado que será criada uma comissão para discutir as questões de segurança para motoristas e passageiros. A Guarda Municipal e a Polícia Militar também farão patrulhamento nos pontos onde os condutores relatarem problemas.

"A Prefeitura de Sumaré destaca que, desde o primeiro momento, adotou todas as medidas cabíveis para evitar a paralisação do transporte e também com relação ao caso de agressão. Ontem (segunda), a Administração Municipal notificou a empresa sobre o cumprimento do contrato de concessão e sua obrigação de manter o transporte público em funcionamento, por tratar-se de serviço essencial à população", diz o texto da nota.

Fonte G1

(Reprodução/EPTV): Mulheres protestam contra violência, em Sumaré