Ministério da Saúde aponta Paulínia e Hortolândia em situação de risco para surtos de dengue

Foram registrados nos municípios índices superiores a 3,9% para infestação do Aedes aegypti

De acordo com o Ministério da Saúde, Paulínia e Hortolândia estão em situação de risco para possíveis surtos de dengue, zika e chikungunya. Foram registrados nos municípios índices superiores a 3,9% para infestação do Aedes aegypti, mosquito transmissor das três doenças.

Segundo o governo federal, o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) permite que as administrações municipais possam identificar bairros onde estão concentrados focos de reprodução do inseto, e o tipo de depósito onde larvas foram encontradas.

Em Paulínia, o índice contabilizado foi de 7,3%; enquanto em Hortolândia houve registro de 4%.

A Prefeitura de Paulínia alegou que os números divulgados pelo governo federal, na última quinta-feira (7) são referentes ao primeiro trimestre deste ano e que os trabalhos de conscientização e combate ao mosquito já tem resultado na redução do percentual apontado.

Já a assessoria de Hortolândia alegou que a situação do mosquito está sob controle e desconhece a base de dados usadas pelo Ministério da Saúde.

Cidades da região

Estão também em situação de alerta outros 12 municípios - variação de 1% a 3,9%. São elas: Monte Mor (2,9%), Limeira (2,7%), Sumaré (2,4%), Campinas (2,3%), Jaguariúna (1,9%), Rafard (1,5%), Americana (1,4%), Mogi Mirim (1,4%), Mogi Guaçu (1,2%), Elias Fausto (1,2%), Mombuca (1%) e Socorro (1%).

O Ministério da Saúde encontrou durante a pesquisa, a maior concentração de larvas em vasos com água, pratos e garrafas retornáveis. "O resultado do levantamento indica que é necessário dar mais atenção nas ações de combate ao mosquito. A prevenção não pode ser interrompida, mesmo no período mais frio do ano", informou em nota o secretário de Vigilância em Saúde, Osnei Okumoto.

Fonte G1

(Ilustrativa): Em Paulínia, o índice contabilizado foi de 7,3%.