Central de Distribuição dos Correios em Indaiatuba é atingido por incêndio

O espaço concentra todo o fluxo postal (cartas e encomendas) recebido nas unidades dos Correios da RMC

Na noite do último domingo (25), um incêndio atingiu a Central de Distribuição dos Correios em Indaiatuba, mas ninguém se feriu, as informações são do G1. De acordo com os Bombeiros, parte das correspondências que estavam armazenadas foram queimadas. As causas do incêndio serão investigadas.

O espaço tem cerca de 30 mil m² e concentra todo o fluxo postal (cartas e encomendas) recebido nas unidades dos Correios da região de Campinas com destino ao estado de São Paulo e a todo o Brasil. A central também recebe tudo o que é postado no país com destino às cidades da região.

Em nota, os Correios esclarecem que o princípio de incêndio no Centro de Tratamento de Cartas e Encomendas (CTCE Indaiatuba), foi identificado na noite de domingo. Os bombeiros foram acionados e o fogo foi controlado. Não havia empregados trabalhando no local, apenas o vigilante estava de plantão. Não houve feridos.

Na segunda-feira (26) pela manhã, a Polícia Federal realizou a perícia para determinar as causas do incêndio. Não houve danos à estrutura do prédio nem às instalações. A expectativa é de que o centro seja liberado em breve, possibilitando que as atividades sejam retomadas ainda hoje. Uma parcela pequena da carga foi comprometida.

Os Correios vão realizar o levantamento das encomendas atingidas para avaliar possíveis pedidos de indenização. Caso o sistema de rastreamento indique que uma encomenda está destinada ao CTCE Indaiatuba e se o prazo de entrega estiver vencido, o remetente deve registrar uma manifestação nos canais de atendimento da empresa, preferencialmente pela internet, no seguinte

endereço: http://www2.correios.com.br/sistemas/falecomoscorreios/. Destinatários nessa situação devem entrar em contato com o remetente ou com a loja/vendedor onde a compra foi realizada.

(Carina Rocco/EPTV): Os Correios vão realizar o levantamento das encomendas atingidas para avaliar possíveis pedidos de indenização.

© 2020 Jornal de Paulínia