Protesto contra a reforma da Previdência afeta troca de turno na Replan

Trabalhadores que começaram a trabalhar às 23h30 deste domingo e deveriam sair da refinaria às 7h30 não saíram

Um protesto contra a reforma da Previdência na manhã de segunda-feira (19) na Replan, a refinaria da Petrobras em Paulínia, afetou a troca de turno de trabalhadores. De acordo com o sindicato da categoria, o grupo de cerca de 70 pessoas que sairia às 7h30 só deixará a refinaria às 23h30 desta segunda.

A paralisação de 16 horas na Replan é organizada pelos sindicatos dos petroleiros (Sindipetro) e também da construção civil, que responde pelos funcionários terceirizados. Segundo o Sindipetro, as pautas referentes às manifestações contra a reforma foram aprovadas em assembleia e os trabalhadores foram avisados sobre a paralisação na semana passada.

De acordo com a Replan, não houve reflexo na produção, que opera normalmente. A Polícia Rodoviária acompanha a movimentação. A Replan é localizada na Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332). Não houve registro de congestionamento por conta da manifestação, segundo a concessionária Rota das Bandeiras.

Cerca de 100 pessoas

Em frente à portaria da Replan, cerca de 100 pessoas, de acordo com a Polícia Rodoviária, participam do ato. De acordo com a reportagem da EPTV, segundo os organizadores, 70% dos trabalhadores aderiram à paralisação.

Os ônibus que chegavam na refinaria no início da manhã eram parados e os funcionários desceram do lado de fora da unidade. Eles não entraram para render os trabalhadores do turno da madrugada. Já a adesão dos funcionários do setor administrativo é parcial.

Fonte G1.