Sambódramo e Mini Pantanal ainda continuam abandonados

Quando assumiu a administração do município de Paulínia, Dixon garantiu “Tudo que foi tirado, nós vamos devolver”

(Rede Social/Paulo Ventura): Triste realidade do Sambódramo, que já foi palco de grandes eventos e sediava um dos melhores e maiores Carnavais da RMC.

O Jornal de Paulínia teve acesso à registros de imagens de abandono em dois espaços públicos no município: do Mini Pantanal, no Parque da Represa e do Sambódramo, no Parque Brasil 500.

Os registros foram feitos e publicados em rede social pelo locutor e radialista de Paulínia, Paulo Ventura.

O radialista capturou imagens do Mini Pantanal na última terça-feira (23), onde mostra o abandono do local que já foi um grande atrativo turístico de Paulínia.

As imagens mostram que o mato está tomando conta do local, estacionamentos e calçadas que davam acesso ao píer se encontram intransitáveis. Além da invasão do mato, o espaço público está depredado e com pichações. No local também há um grande número de animais que vêm sendo abandonados pela população de Paulínia.

O Mini Pantanal era considerado um santuário ecológico por abrigar uma extensa variedade de fauna e flora. Além de animais como marrecos, quero-queros, frangos-d’água, talha-mares, garças e jacarés.

O local era bem conhecido pela população e moradores de cidades vizinhas, devido aos passeios de barco gratuitos aos finais de semana e feriados.

Na época em que assumiu a Prefeitura de Paulínia, o prefeito Dixon Carvalho (PP) garantiu que a recuperação dos pontos turísticos era prioridade em sua administração.

"Vamos reabrir o parque ecológico, revitalizar o mini pantanal. Tudo que foi tirado, nós vamos devolver”, disse o prefeito à época.

(Rede Social/Paulo Ventura): O Mini Pantanal já foi um grande atrativo turístico de Paulínia, hoje se encontra abandonado pelo poder público.

Sambódramo

Paulo Ventura ainda capturou imagens no último dia 16 de janeiro do Sambódramo no Parque Brasil 500. O lugar, que já foi palco de grandes eventos e sediava um dos melhores e maiores Carnavais da RMC, hoje se encontra em uma triste realidade de abandono do poder público.

Vale ressaltar que o Sambódramo já funcionou por alguns anos como um dos campus da Universidade São Marcos.

As imagens mostram que no local o mato alto também está invadindo o espaço público. A degradação das paredes, vidros quebrados, pichações e grande quantidade de entulhos revoltaram a população que, por muitas vezes não têm conhecimento de como se encontram os espaços públicos em Paulínia.

O sambódromo faz parte do Complexo Brasil 500, que possui também o Pavilhão de Eventos, a Concha Acústica Maestro Marcelino Pietrobom e a Prefeitura de Paulínia, além de parte do complexo cinematográfico, incluindo o Theatro Municipal e o Centro Cultural.


Repercussão na Internet

A publicação dos dois registros rendeu centenas de comentários e compartilhamentos. Muitos paulinenses revoltados e entristecidos pedindo uma solução ou um parecer da administração do atual prefeito Dixon Carvalho (PP).

“Paulínia inteira abandonada. Onde vamos parar? Que administração é essa? Uma cidade tão rica e totalmente abandonada”, comentou uma das internautas.


Posição da Prefeitura de Paulínia

Nossa redação entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Paulínia, porém não tivemos retorno até o fechamento desta edição.


© 2020 Jornal de Paulínia