Desembargador Fabio Pietro é designado como relator da Cassação do Prefeito Dixon

O magistrado tem como uma de suas marcas “a preocupação em fazer com que a justiça sirva à sociedade”

(Internet): Representante da Justiça Federal no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo), o desembargador Fábio Pietro de Souza.


Representante da Justiça Federal no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo), o desembargador Fábio Pietro de Souza foi designado como relator do recurso contra a decisão da Justiça Eleitoral da cidade, que cassou em setembro deste ano, o mandato e os direitos políticos do prefeito de Paulínia, Dixon Carvalho (PP), por captação ilícita de recursos financeiros e abuso de poder econômico na eleição municipal de 2016.

Empossado no TRE paulista em agosto deste ano, o magistrado tem como uma de suas mais fortes marcas “a preocupação em fazer com que a justiça sirva à sociedade”. Como relator da cassação de Dixon (PP), o voto dele abrirá o julgamento no Plenário do TRE, ainda sem data prevista para acontecer.

Relembre o caso

Em dezembro de 2017,a Juíza Marta Brandão Pistelli reprovou as contas de campanha de Dixon, porque, segundo ela, a maior parte do valor declarado pelo então candidato como “recursos próprios” era, e continua, de origem desconhecida. À época do julgamento das contas, Dixon se defendeu, dizendo que teria vendido um imóvel ao pai, por R$ 1 milhão, e usado parte do dinheiro para custear a própria campanha. A Justiça Eleitoral manteve a reprovação e Dixon aguarda posicionamento do TRE, onde o recurso contra a decisão da magistrada está parado desde março.

Foram surgindo novos detalhes da prestação de contas rejeitada pela Justiça, que determinou a quebra dos sigilos bancários de Dixon, do pai dele e do empresário Geraldo Antonio Baraldi, terceiro protagonista da “movimentação financeira triangular” para, segundo a Justiça Eleitoral, regularizar a suposta captação ilícita de recursos financeiros pela campanha do PP.

Por conta do apurado no processo das contas, Dixon foi investigado em outra ação judicial eleitoral e no dia 26 de setembro deste ano, acabou tendo o cargo e os direitos políticos cassados pelo juiz eleitoral de Paulínia, Carlos Eduardo Mendes. No dia 6 de dezembro, o recurso do prefeito cassado contra a sentença do magistrado chegou ao TRE, em São Paulo.


Fonte Correio Paulinense

© 2020 Jornal de Paulínia