Atletas de karate do Programa Viva Betel em Paulínia realizam exame para troca de faixa

Realizado pela Associação de Moradores de Betel e Alvorada Parque e com apoio da Galvani, projeto esportivo já somou mais de 120 medalhas em torneios

(Divulgação): O projeto atende 80 crianças em aulas de dança, música e karate.

Oito alunos do Projeto Viva Betel participaram na última quinta-feira (31) do exame de troca de faixa do curso de karatê. Com idade de sete a treze anos, os atletas foram examinados pelo técnico da equipe campineira e da seleção paulista de karate, professor Fábio Aranha.

Mantido pela Associação de Moradores do Bairro Betel e Alvorada Parque (AMBAP) e patrocinado pela Galvani desde 2007, o projeto atende 80 crianças em aulas de dança, música e karate.

“Faço parte do Projeto Viva Betel há 10 anos. Vi o projeto crescer e acompanhei meus primeiros alunos se formarem em ótimas faculdades. O bairro está mais unido, muitas amizades foram feitas e o desempenho escolar e disciplina dos alunos melhoraram muito”, afirma o professor Gustavo Oliveira, responsável pelo projeto.

Para a presidente da AMBAP, Rosângela Carnieli, os projetos sociais e esportivos têm uma enorme importância na vida das crianças como forma de inserção social, oportunidade de aprendizagem, crescimento e desenvolvimento pessoal. “Nosso bairro é carente de opções de lazer e entretenimento para crianças e adolescentes. Antes da Associação não havia nenhuma opção. Com o surgimento da AMBAP, crianças e adolescentes foram inseridos em programas e projetos, tais como aulas de karate, violino, violão e jazz. Graças às parcerias atendemos a esse público, inserindo-os na sociedade, onde o respeito aos direitos e a dignidade representam a razão de ser da AMBAP. Todo este trabalho não seria possível se não fosse o envolvimento da coletividade e de voluntários que se dedicam aos projetos”, afirma.

Mãe de Mateus, 9 anos, Janice Reis vê melhoras significativas no comportamento do filho após o ingresso nas aulas de karate."Com as aulas percebi o Mateus mais participativo e comunicativo, deixando de lado a timidez e com mais autoestima, mais confiante de si", afirma. Filho de pais separados e diagnosticado com déficit de atenção, Mateus é hoje para alunos e professores da sua escola um exemplo de como o esporte pode auxiliar no aprendizado e convivência em sociedade.

As crianças que passaram pelo projeto já conquistaram mais de 120 medalhas em 14 competições disputadas em Paulínia, Campinas e no estado de São Paulo. Para se inscrever nas aulas, que acontecem três vezes por semana, é necessário ser morador de Betel, ter freqüência e bom desempenho escolar.