Suspeita de possível quebra de ordem cronológica em contratos emergenciais na Prefeitura de Paulínia

As suspeitas são baseadas em conversas entre Sandro Caprino e o Secretário de Finanças, Silvio Andrade

As alegações foram feitas por Caprino em entrevista ao programa Visão Geral da Rede Família.

O vice-prefeito de Paulínia, Sandro Caprino (PRB) em entrevista ao programa Visão Geral da Rede Família, apresentado pelo jornalista Alberto César Iralah, admitiu a suspeita de possível quebra de ordem cronológica cometida pelo atual prefeito Dixon Carvalho (PP).

Caprino iniciou a entrevista relatando o momento delicado e difícil em que o município está passando. De acordo com o vice-prefeito, os tratados feitos na campanha de 2016 entre ele e Dixon não estão sendo realizados.

“ Nosso acordo era uma administração conjunta, para juntos fazermos Paulínia uma grande cidade. Mas isso não está sendo cumprido”, disse Caprino.


A insatisfação de Sandro Caprino começa aos 10 minutos de entrevista, segundo ele, coisas básicas a serem feitas no município poderiam estar avançadas.

Segundo Caprino, além das dificuldades para um governo conjunto, existe a suspeita de possível quebra de ordem cronológica em contratos emergenciais.

O vice-prefeito alega que Dixon começou a fazer contratos emergenciais, com o “poder da caneta”, após 40, 60 e 90 dias de mandato, o que é proibido por lei.

De acordo com a Lei nº 8.666, a contratação emergencial só pode ser feita diante de casos de emergência ou de calamidade pública, relacionados à urgência de atendimento de situações que possam ocasionar prejuízos ou comprometer a segurança de pessoas.


As alegações de Sandro Caprino, segundo ele, são baseadas em conversações com o atual secretário de finanças, Silvio César Vieira Andrade, que admitiu certa dificuldade para tratar de assuntos financeiros do município com o prefeito.

“O secretário Silvio, que é uma pessoa honesta e competente, me informou que Dixon nunca se reuniu com ele para passar a situação financeira de Paulínia”, afirmou Caprino.

Durante a entrevista, Sandro Caprino ainda demonstra sua insatisfação com a atual gestão no que diz respeito a transporte, saúde, limpeza urbana, entre outros e, ainda cita os inquéritos civis e que Dixon está envolvido.