Maternidade de Campinas desbloqueia UTI Neonatal

Hospital havia suspendido os partos devido ao vírus sincicial respiratório

A Maternidade de Campinas (SP) iniciou, na quarta-feira (12), o desbloqueio gradativo da UTI Neonatal, que havia sido fechada há 14 dias por conta de um vírus respiratório. A unidade médica passou a receber grávidas de 35 semanas ou mais e em qualquer situação, não sendo necessário no estado de trabalho de parto, ou gravidez de risco.

Até terça-feira (11), só eram aceitas gestantes acima das 37 semanas e com parto próximo de ocorrer. O hospital informou ainda a liberação da UTI Neonatal para recém-nascidos da unidade e os externos. A medida foi tomada devido ao fato de que os 12 bebês, que haviam apresentado o vírus sincicial respiratório, tiveram os novos exames negativados. Apesar de resultados negativos, os bebês continuam isolados para observação.

Leitos A Maternidade de Campinas conta com 40 leitos, sendo 22 deles para uso de Sistema Único do Saúde (SUS). Destes 40 leitos, 23 estão ocupados. Ainda segundo o hospital, dos leitos livres apenas quatro estão bloqueados para bebês nascidos em outros hospitais e que precisam de vagas do SUS. De acordo com a direção da Maternidade, a medida é para evitar a superlotação.

O caso Hospital Maternidade de Campinas suspendeu no dia 29 de junho o recebimento de grávidas acima de 20 semanas ou a transferência de recém-nascidos externos. A diretoria informou que eles combatem casos do vírus sincicial respiratório, que pode afetar os pulmões e ainda causar bronquiolite. Fonte: G1