Moura Junior está inelegível pelos próximos oito anos

Ex-prefeito teve as contas de seu governo rejeitadas pela Câmara Municipal

O ex-prefeito de Paulínia Edson Moura Junior (PMDB) teve as contas de seu governo, em 2014, rejeitadas em votação pela Câmara de Vereadores na sessão de terça-feira (6). Desta forma, Moura Junior está inelegível pelos próximos oito anos. O ex-prefeito José Pavan Junior (PSDB) conseguiu liminar na Justiça e adiou a votação das contas de 2012 de sua administração.

Os vereadores rejeitaram as contas de Moura Junior com base no parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que mostrou, entre as ilegalidades, ocultação de despesas, resultado financeiro negativo, déficit orçamentário de 6,50%, descumprimento de aplicação mínima de verbas na educação.

As contas de Moura Junior foram rejeitadas por 14 votos a favor e com a abstenção do vereador Marquinho Fiorella (PSB). Esse também foi o placar das contas de Pavan, no dia 23 passado, só que com a abstenção de Fábio Valadão (PRTB).

Pavan Junior conseguiu suspender a votação de suas contas em segunda e definitiva discussão na Câmara, o que também poderia acarretar sua inelegibilidade pelos próximos oito anos, ao obter liminar na Justiça de Paulínia. O juiz Carlos Eduardo Mendes deu prazo de mais 30 dias para a defesa do ex-prefeito no processo.

Segundo o TCE, em 2012, Pavan Junior gastou em ano eleitoral com propaganda cerca de R$ 2 milhões a mais do que em 2011, contrariando a legislação em vigor.

Outras aprovações Na mesma sessão, a Câmara aprovou, em segunda discussão, os projetos de lei do Executivo criando o programa de Recuperação de Crédito, o Recred 2017. Também aprovaram ceder o prédio para a transferência do Fórum de Paulínia no Complexo Rodoviária Shopping.

Em última discussão aprovaram os projetos de decretos do Legislativo concedendo título de cidadão cosmopolense a Carlos Henrique de Moraes; cidadão emérito a Geraldo José Ballone; e a medalha de “Empresa Cidadã” ao Lions Clube de Paulínia.